Não é o AGRO que desmata e não tem que esperar DUBAI, porque novamente essa COP vai ser só turismo e o caboclo com o estômago vazio mantendo a floresta em pé ao mundo

Continua após a publicidade..

Minha Opinião:

Li toda a entrevista do Marcelo Ramos nas páginas do Jornal ÀCRÍTICA. Aproveito para dar meu ponto de vista sobre dois assuntos, crédito de carbono e o nosso AGRO:

Continua após a publicidade..
  1. É bom relembrar que o “crédito de carbono” não é coisa nova, começou em 1997, portanto, 26 anos já se passaram e nenhum centavo caiu na conta do guardião da floresta, e na matéria ainda joga o assunto para o futuro;
  2. Já temos 26 anos e ainda estamos falando em “regular” o mercado de carbono. Mais um evento em DUBAI, que o guardião da floresta não vai e 60% já está na pobreza;
  3. Não é o AGRO, não é o produtor rural responsável pelo desmatamento. O ex-superintendente da Polícia Federal do Amazonas já disse quem desmata na região. O destaque dado na matéria com aspas do Marcelo Ramos sobre o AGRO foi incompleto. Na sequência, o ex-deputado faz a afirmativa correta sobre o AGRO tirando o peso, a culpa do desmatamento das costas do AGRO;
  4. O Amazonas já tem 60% de áreas protegidas, penso que até mais, então não vejo problema essa questão de latifúndios, tem como atender povos e comunidades tradicionais por meio de cooperativas, associações e colônias e os latifúndios. O que não pode mesmo, é ter um instrumento que já tem 26 anos, e ainda estão falando em “regular o mercado” e pagando miseráveis R$ 50 reais de Bolsa Floresta, e chegando mais R$ 78 milhões para o FUNDO FLORESTA. Isso é brincar com a turma da canoa!
  5. Isso não pode esperar DUBAI, DUBAI vai ser só turismo, como foram as outros encontros que aconteceram nesses 26 anos;
  6. Abaixo, mostro o que disse o assessor especial do atual ministro da agricultura sobre o CRÉDITO DE CARBONO quando a reunião acontece nos Estados Unidos;
  7. Também mostro matéria do jornal ÀCRÍTICA sobre a “bagunça” fundiária que trava o crédito de carbono;
  8. Aproveito para lembrar ao ex-deputado Marcelo Ramos para pautar o ZEE do Amazonas, enrolado pela área ambiental do estado, e por ONGs, por longos 21 anos. Sem ZEE e sem REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA não tem crédito de carbono;

THOMAZ RURAL

https://www.acritica.com/se-nos-n-o-tivermos-mecanismo-de-revers-o-vira-so-um-negocio-para-latifundiarios-1.312452

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



%d blogueiros gostam disto: