Será que os ambientalistas do Amazonas vão mostrar esse gráfico (OGLOBO) na COP-28 (Dubai)

Continua após a publicidade..

Opinião:

Posso afirmar que os ambientalistas NÃO irão mostrar! Minha esperança reside no governador Wilson Lima.

Continua após a publicidade..

Essa matéria está no site do OGLOBO.

Toda atividade econômica SUSTENTÁVEL está travada por aqui, e por isso temos 60% com fome.

Mas o NARCOTRÁFICO tá correndo solto. É isso que querem?

Continua após a publicidade..

Cadê os satélites para chegar nessas facções criminosas que estão empregando nossos jovens? Eles usam avião, barcos e cadê a fiscalização RIGOROSA.

Será que os ambientalistas do governo estadual, assim como os ligados às ONGs vão mostrar essa realidade? Será que vão dizer que a EMBRAPA já tem tecnologias do AGRO capazes de gerar emprego para esse jovens que estão indo para o tráfico de drogas, para essas facções.

Tenho certeza que entrarão calados, sairão mudos. Só vão falar de desmatamento e captar recursos para fazer mais do mesmo, como foi de 2003 até hoje. Sem regularização fundiária não tem crédito de carbono, REDD+ e outros.

Continua após a publicidade..

O AGRO é o caminho para gerar emprego, renda e vida digna no interior sem usar PETRÓLEO que é realmente o que vem esquentando o planeta. Nessa ida à COP-28 deveria estar presente representante do Sistema SEPROR, no caso o titular da SEPROR, pois conhece os 21 projetos prioritários do IDAM capazes de movimentar a economia no interior, mas só levam quem trava a economia do Estado. Aqui tem 97% floresta preservado, não precisa fazer mais nada, só colocar comida na barriga de quem preservou. Isso sim tá faltando!

Vi uma matéria no G1 que vou divulgar e comentar com vocês.

THOMAZ RURAL

Continua após a publicidade..

One thought on “Será que os ambientalistas do Amazonas vão mostrar esse gráfico (OGLOBO) na COP-28 (Dubai)

  • dezembro 1, 2023 em 11:28 pm
    Permalink

    Vale ressaltar a importância de recuperação de toda área de várzea ao longo do sistema fluvial com bosques comerciais em sistemas ILPF, para repovoar o interior da Amazônia profunda. Em nome da Bioeconomia, fábricas flutuantes recolheriam a produção destes bosques, aumentando a frequência de contato e vigilância, a fim de recolher a matéria prima para o Polo Industrial Verde em Manaus. – (visão minha)

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



%d blogueiros gostam disto: