Com o apoio do Sebrae Amazonas, a medida pode resultar em um incremento de 30% no faturamento da AIETUM.

Continua após a publicidade..

Com o apoio do Sebrae Amazonas, a medida pode resultar em um incremento de 30% no faturamento da AIETUM.

Por ASN Amazonas

Continua após a publicidade..

A Associação Indígena da Etnia Tuyuka de São Gabriel da Cachoeira – AIETUM com o auxílio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-AM), inicia o processo de certificação orgânica participativa. O grupo do Alto Rio Negro no estado, conta com mais de 80 pessoas indígenas associadas.

Atualmente, a associação Tuyuka é a organização indígena que mais acessa as políticas de compras públicas na região. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) são seus mercados principais, e uma vez que os produtores indígenas da AIETUM sejam inseridos no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), para obtenção da declaração de Organização de Controle Social (OCS), os preços praticados pela associação nessas duas políticas públicas, podem aumentar no mínimo 30%. Dessa maneira, além da capacitação dos agricultores indígenas, haverá também um incremento no faturamento da organização.

Segundo o Gerente de Empreendedorismo no Interior, José Antônio Fonseca, para auxiliá-los nesta fase, o Sebrae tem o propósito de promover consultorias técnicas específicas. “Precisamos garantir o cumprimento das regras de acordo com a certificação e instruí-los para que eles também preparem a própria regulamentação como coletivo.”

Continua após a publicidade..

Indígenas AIETUMIIndígenas da AIETUM recebem instruções do Sebrae-AM.

Além do apoio do Sebrae Amazonas, a iniciativa de certificação conta com a colaboração da GIZ, uma empresa com utilidade pública do Governo da República Federal da Alemanha com atuação voltada à cooperação internacional para o desenvolvimento sustentável.

Continua após a publicidade..

De acordo com o Assessor Técnico da GIZ, Carlos Demeterco, o projeto Bioeconomia e Cadeias de Valor, que é uma iniciativa conjunta entre o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA), tem como grande missão apoiar tecnicamente a criação de arranjos socioprodutivos na Amazônia. “A grande região do Rio Negro é rica nesse tipo de arranjos, a associação do povo Tuyuka sabe muito bem como aproveitar a riqueza da terra, entregando alimentos tradicionais e de qualidade e isso tem tudo a ver com a visão que o nosso projeto GIZ/MDA tem sobre bioeconomia e acredita que ela deve ser: inclusiva, diversa e com protagonismo dos povos indígenas, tradicionais e da agricultura familiar.”

Para Cenaide Pastor Marques Lima, associado Tuyuka, a certificação e o apoio do Sebrae Amazonas devem ajudar nas ações da AIETUM. “É uma oportunidade de valorizar o que nós produzimos e contribuir para a produção de alimentos saudáveis previstos nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e da Organização das Nações Unidas (ONU), uma vez que garante a segurança alimentar e ao mesmo tempo evita abertura de novas áreas de desmatamento da floresta.”

Durante o processo de certificação, o Sebrae Amazonas deve fornecer oficinas para orientar os associados acerca do credenciamento e técnicas para obtenção de Obrigações da Organização de Controle Social (OCS). A estratégia articula associações e federações indígenas, prefeitura e órgãos do governo do Amazonas, com apoio da Cooperação Brasil – Alemanha para Desenvolvimento Sustentável Instituições.

Continua após a publicidade..

https://am.agenciasebrae.com.br/cultura-empreendedora/associacao-indigena-apoiada-pelo-sebrae-am-recebe-certificacao-organica-participativa/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



%d blogueiros gostam disto: