Pequeno produtor pega MILHO na estrada. Infelizmente não é aqui porque alguns doutores em clima e ambiente travam o Amazonas e enrolam os governadores, a “Compensa”.

Continua após a publicidade..

Minha opinião:

Apesar de termos potencial, já identificado por valorosos técnicos do IDAM e divulgados no Plano Safra AM em 2019, essa cena de pegar milho na estrada não acontece aqui, ou seja, a cena do pequeno produtor pegando milho que cai das carretas, segundo matéria do VALOR ECONÔMICO.

Continua após a publicidade..

Não temos ZEE porque alguns doutores em clima e ambiente nunca quiseram, ainda não querem, em especial os com origem na FAS, (que era Amazonas e virou Amazônia) e, também, assim como a agilidade na regularização fundiária e licenciamento ambiental estão apenas nas promessas. O governador Wilson Lima tem 3 anos e meio para fazer o que já fez com o Garantia Safra, ZARC (estado abriu as portas na gestão do Petrucio), subvenção em dia, febre aftosa, maior mercado para agricultor familiar, Plano Safra (transparente e norteador), volta da EXPOAGRO e novo Parque e por aí vai.

Conclusão: já estamos batendo na porta de 60% na pobreza no estado mais VERDE do mundo com a área ambiental sendo comandada desde 2003 por gestores ligados à FAS (já teve dois secretários meio ambiente, 10 anos de gestão) que travam e empobrecem o Amazonas. Já estamos chegando a 60% de pobreza no estado mais rico, biodiverso e preservado do mundo.

Se não substituirmos esses interlocutores da área ambiental a pobreza vai continuar aumentando. Espero, sinceramente, que não esteja tendo mistura do público e privado nessa área ambiental. Quanto a pobreza, falei isso em 2018, das travas, não ouviram, passamos de 49% para 58%.

Continua após a publicidade..

Se não mudar de interlocutor ambiental a pobreza só vai aumentar. Insisto porque não quero isso para um governo que vi nascer, ajudei e ainda ajudo apontando no meu blog as promessas de campanha. Sem falar do respeito e admiração que tenho pelo Wilson, pela pessoa que conheci e pelos resgates que ele já fez. Mas na área ambiental, pela agenda corrida, e por alguns assessores, ainda não caiu a ficha que captar recursos internacionais não é tudo, é só olhar para trás e ver que os bilhões do passado do Fundo Amazônia foi mal aplicado e um dos motivos que ele recebeu, em 2019, o estado com metade na pobreza. A assessoria próxima ao governador ainda não percebeu que o nosso VERDE, a nossa FLORESTA EM PÉ, não colocou UM CENTAVO em nosso bolso, no guardião da floresta. A assessoria do governador ainda não percebeu que os técnicos do IDAM não estão nada satisfeito em perder R$ 78 milhões para a FAS. É só fazer consulta informal ao corto técnico do IDAM, a insatisfação é geral.

É completamente fora da curva destinar R$ 78 milhões para a FAS operar o FUNDO FLORESTA. Isso está pegando muito mal, mas poucos falam com receio de retaliação. Gosto do Wilson, estava com ele quando nem se pensava em ganhar, portanto, tenho obrigação de alertar. Repito, o banco alemão conversou com o IDAM, já divulguei a matéria. Será que o IDAM foi só usado?

THOMAZ RURAL

Continua após a publicidade..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



%d blogueiros gostam disto: