Um estado que tem 60% da população na pobreza não pode sequer SONHAR em “arrancar” produtores rurais de suas terras produtivas (veja vídeo da Audiência Pública)

Continua após a publicidade..

Opinião do BLOG >

Num estado que tem crescente aumento da população na pobreza já chegando a 60% de pessoas, inclusive indígenas, não pode se dar ao luxo de “arrancar” produtores rurais de suas terras que estão produzindo para comer e vender o excedente há décadas. Temos comunidades indígenas na capital dependendo de cestas básicas do governo federal.

Continua após a publicidade..

Um estado com dimensão continental e com 96% preservado não pode ter briga por terra, pior ainda é “arrancar” dessas terras quem produz e já está há anos no lugar. E tem mais, é bom ressaltar que aqui 80% tem que ser preservado, só podemos usar 20%.

Quem não fez o ZEE do Amazonas nos últimos 20 anos deveria ser responsabilizado por tal atitude. A segurança jurídica de todos os envolvidos já estaria melhor resolvida. A ausência do ZEE está levando o AMAZONAS ao caos, confusão, fome e mais pobreza. Lembro que o ZEE significa ECONÔMICO e ECOLÓGICO, sempre foi uma política ambiental ignorada pelos ambientalistas.

Ainda bem que o governador Wilson Lima já afirmou, publicamente, que é contra NOVAS demarcações de terras indígenas.

Continua após a publicidade..

No vídeo, abaixo, só vi a presença do deputado federal Fausto Lins, cadê os demais?

Defender quem produz alimentos no estado que tem 60% passando fome deveria ser PRIORIDADE ÚNICA.

Soube que a iniciativa do senador Plínio Valério de saber para onde foram os bilhões do Fundo Amazônia foi muito elogiada, reconhecida como importante, uma vez que os guardiões estão em vulnerabilidade.

Continua após a publicidade..

Um estado onde os doutores em clima e ambiente, em 20 anos, apesar dos milhões recebidos por ONGs, não conseguiram incluir os guardiões nas políticas públicas, e nem colocar um CENTAVO de concessão florestal, crédito de carbono e REDD+ no bolso de quem verdadeiramente preservou a floresta.

Vi no discurso do presidente da FAEA, Muni Lourenço, um detalhe que não conhecia e que vou publicar em outra postagem. Trata-se de como nasceu o município de Autazes. Eu desconhecia! Aliás, o discurso do amigo Muni foi curto, claro, conciso e sempre buscando a conciliação. Sempre presente em pautas importantes em defesa de quem produz alimentos, do pequeno ao grande.

Em outra postagem vou destacar trechos desses vídeos.

Continua após a publicidade..

THOMAZ RURAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



%d blogueiros gostam disto: